Enviado em 03.05.2016

As 4 tendências do mercado de banda larga para os próximos anos!

O mercado de banda larga brasileiro cresce continuamente. Anualmente, milhões de dispositivos e usuários são registrados na web. Isso tem ampliado a necessidade de […]

O mercado de banda larga brasileiro cresce continuamente. Anualmente, milhões de dispositivos e usuários são registrados na web. Isso tem ampliado a necessidade de provedores investirem em melhorias nas suas estruturas, buscando atender a uma demanda maior por conexões de alta velocidade e capazes de suportar um grande fluxo de informações.

Nesse cenário, a melhor forma de se preparar é compreendendo as principais tendências tecnológicas. Dos usuários domésticos aos corporativos, são elas que definirão a forma e a quantidade de dados que irão trafegar pela rede, afetando diretamente nos custos de manutenção de serviços de internet.

Quer saber mais? Então leia o nosso texto de hoje e conheça as cinco tendências que causarão o maior impacto na internet brasileira nos próximos anos!

Quatro tendências da internet para os próximos anos

Aumento do uso do cloud computing

O cloud computing estabeleceu-se como uma das principais ferramentas estratégicas de várias empresas. Seja em ambientes privados, públicos ou em nuvens híbridas, a execução de serviços de armazenamento de dados, backups, virtualização ou até sistemas de gestão remota está diminuindo os custos de gestão de TI e modernizando corporações.

Esses serviços são altamente dependentes da rede para que o seu funcionamento ocorra com alta eficácia. Ainda que alguns possam ser executados localmente, é com o auxílio da internet que a computação em nuvem atinge o seu total potencial. Para os provedores, tais serviços aumentam a demanda por conexões com estabilidade, baixa latência e capacidade de lidar com um trafego constante de dados.

Internet das Coisas

A Internet das Coisas deverá aumentar consideravelmente a quantidade de dispositivos conectados a redes de internet. Apesar de muitos sensores e outros IoT devices possuírem um trafego de dados constante, porém com uma baixa quantidade de pacotes, provedores devem reestruturar as suas redes para que elas suportem um número maior de equipamentos sem que isso represente uma perda na qualidade da conexão. Além disso, planos de segurança devem ser reformulados para impedir que um aparelho comprometa a segurança de outros usuários.

BYOD

O BYOD (Bring Your Own Device, ou traga o seu aparelho, em tradução livre), é uma política de gestão em que empresas estimulam os seus funcionários a utilizarem aparelhos pessoais dentro do ambiente corporativo. Essa tendência espalhou pelo mundo inteiro nos últimos anos pro ser um vetor para melhoria nos índices de qualidade e produtividade internos de uma empresa. Provedores devem se preparar, uma vez que ao implementar o BYOD, corporações tendem a ampliar a sua necessidade por conexões de alta velocidade.

Serviços de streaming em alta definição

Da mesma forma que o cloud computing permite o acesso a uma série de recursos e ferramentas por um baixo custo, os serviços de streaming auxiliaram a popularizar conteúdos por meio de assinaturas baratas e flexíveis. Entretanto, plataformas como o Spotify e a Netflix podem demandar uma grande capacidade de transmissão de dados contínua entre o serviço e o usuário.

Um episódio de uma série de 50 minutos, por exemplo, pode ter até 3.5 GB. Com a adesão cada vez maior desse tipo de produtos, provedores devem reforçar a escalabilidade de sua estrutura, garantindo que o usuário conseguirá acessar conteúdos sempre que desejar.

A necessidade de provedores se prepararem

A internet tornou-se a base de diversas melhorias em ambientes empresariais e comerciais nos últimos anos. Com a ampliação da conectividade, novos serviços foram criados, permitindo modelos de negócio mais flexíveis. Para os servidores, esse movimento é uma oportunidade de não só atingir novos mercados, mas tornar os seus serviços mais modernos e competitivos.

Quer saber mais sobre as tendências de TI? Então nos siga nas redes sociais!

Comentários