Enviado em 07.08.2019

Patch Cord Óptico? Cordão Óptico? Extensão Óptica? Qual devo utilizar?

Com tantos tipos diferentes de cordões ópticos disponíveis no mercado, como saber qual tipo deve ser utilizado? Esse artigo tenta responder a esta questão, provendo algumas soluções.

Os cordões ópticos (também conhecidos como patch cords ópticos) são cabos muito utilizados em projetos de redes ópticas. São geralmente utilizados na interconexão entre switches e roteadores. Mas, com tantos tipos diferentes de cordões ópticos disponíveis no mercado, como saber qual tipo deve ser utilizado? Esse artigo tenta responder a esta questão, provendo algumas soluções. Antes de entramos neste tópico, é necessário rever alguns conhecimentos básicos a respeito dos cordões ópticos.

Relação entre Patch cords e Transceivers

O patch cord é um tipo cabo óptico utilizado principalmente em sala de servidores (também conhecido como data centers) dos provedores. São estes cabos que fazem a interconexão entre os diversos equipamentos de uma rede óptica, por exemplo: a conexão da OLT (Optical Line Terminal, ou Terminal de Linha Óptica) com o DIO (Divisor Interno Óptico); ou a conexão dos patch panels. É composto de um cabo de fibra óptica, envolvido por uma capa interna de proteção e de uma capa externa de PVC retardante a chamas; possui uma fita de kevlar interna, que serve como um elemento de tração; e, pode ser terminado ou não (cabos híbridos) com o mesmo tipo de conector óptico em ambas as extremidades.

O que determinará o tipo cordão óptico a ser usado será o tipo de conector óptico dos equipamentos que serão interconectados. Existem diversos tipos de transceivers ópticos onde os cordões são utilizados: SFP+, X2, XENPAK, XFP, SFP (Mini GBIC), GBIC, etc. Eles também podem ser utilizados para realizar a interconexão entre o PTO (Ponto de Terminação óptica) e a ONU (Optical Network Unit, ou Unidade de Rede óptica) que são instalados na residência do cliente.

Exemplificando: suponhamos que temos um caso de ligação entre a OLT (Optical Line Terminal) e o DIO (Divisor Interno Óptico) no datacenter. Neste exemplo, nosso equipamento utiliza um Mini-Gbic SFP EPON de 20 Km modelo OT-8604-SF:

Este modelo de Mini-GBIC possui uma entrada SC e, portanto, temos de utilizar um cordão óptico que seja compatível com este conector. O cabo escolhido é o Cordão Óptico Simplex Monomodo SC/UPC 3 Metros OT-8819-SS, também da Overtek.

Confira como é realizada a conexão entre os equipamentos:

Abaixo, ambos o transceiver e o cordão óptico sendo colocados em produção:

Preste sempre muita atenção ao tipo de conector óptico de conexão (conector de entrada) do equipamento de rede ao qual o cordão óptico será conectado. No caso de um transceiver GBIC, o conector óptico do cordão deve sempre possuir o polimento do tipo UPC, alterando apenas o tipo de conector (modelos SC,LC,FC,ST). Porém, no uso de outros equipamentos, deve-se atentar para qual tipo de conexão é exigida.

Existem também as extensões ópticas, que são utilizadas em ambientes internos e possuem a função de fazer a transição entre o cabo óptico e o equipamento.

Como você pode ver neste artigo, a seleção correta do modelo do cordão dependerá, principalmente, do tipo de equipamento em que ele será conectado. Então se você procura por cordões e extensões ópticas com qualidade e confiabilidade, procure um representante da marca Overtek. Possuímos uma ampla gama de cordões e extensões ópticas e temos certeza que você encontrará um que o seu projeto necessita.

Cassio Chikora – Assistente de TI na empresa KAMIDE & KAMIDE.

Comentários