Enviado em 05.01.2018

Para que serve uma máquina de fusão?

Uma máquina de fusão é o equipamento capaz de emendar fibras ópticas monomodo ou multímodo, praticamente sem perdas no ponto de fusão.

Os ISP’s que optaram pela construção de redes ópticas passaram a conviver com diversos equipamentos específicos para operação desse tipo de rede. A máquina de emenda de fibra óptica por fusão, ou Fusion Splicer, é um equipamento importante para a implantação e manutenção de uma rede óptica. Ela tem o propósito de fundir fibras, resultando em baixa perda nas emendas e emendas estáveis por longos períodos de tempo.

Uma emenda óptica consiste na junção de dois ou mais segmentos de fibras, podendo ser permanente ou temporária, com o intuito de prolongar um cabo óptico. A perda na emenda da fibra óptica depende de determinadas condições, como a preparação da fibra, parâmetros da emenda e condições da fibra.

Uma máquina de fusão é o equipamento capaz de emendar fibras ópticas monomodo ou multímodo, praticamente sem perdas no ponto de fusão. Ela é indicada para trabalhos em instalação e manutenção de redes ópticas internas e externas, pois oferece grande precisão e baixo custo de operação e manutenção.

As máquinas de fusão são desenvolvidas para atender aos diferentes tipos de fibra, desde multímodo até monomodo, acomodando também diferentes perfis de índice de refração. Com a modernização das máquinas empregadas no processo de emenda e a constante melhoria na qualidade da fabricação das fibras, a atenuação nas emendas possui limites em torno de 0,1dB para emendas por fusão.

As máquinas de fusão trabalham com dois tipos básicos de sistemas de emenda:

  • Alinhamento pelo núcleo – apresenta maior precisão no momento da fusão da fibra e uma perda menor que 0,05 dB em fusões de fibras de mesma construção. Porém, se as fibras apresentarem núcleos de tamanhos diferentes (fibra monomodo com fibra multimodo, por exemplo) ou núcleos excêntricos, a máquina poderá não executar a fusão e emitir um aviso acusando falha.
  • Alinhamento pela casca – permite a fusão de fibras com núcleos diferentes, todavia, ocorrerá perdas de sinal óptico e atenuação no ponto de fusão por conta da não uniformidade do núcleo das fibras.

Construtivamente, a máquina de emenda por alinhamento pela casca, não possui um sistema de avaliação da fibra óptica além da lupa ou monitor de inspeção e depende do operador a avaliação da qualidade da clivagem, a limpeza e o posicionamento da fibra na câmara de fusão, de forma a deixá-la em condições apropriadas para emenda. Em função dessa limitação, o nível de qualidade e a confiabilidade das emendas dependem muito da habilidade do profissional que opera o equipamento.

Uma máquina de emenda com alinhamento pelo núcleo realiza o processo de fusão tanto pelo núcleo como pela casca fibra. Através de um display é possível acompanhar todo o processo de fusão e o sistema informa ainda perda estimada da emenda, faz testes de tensão automaticamente, se necessário e possui um forno embutido para acomodar e derreter o protetor de emenda termo contrátil que fará a proteção mecânica da emenda.

Gerente de Engenharia e Operações na BRIP Multimídia.
Profissional com mais de 20 anos de carreira desenvolvida nas áreas de gestão e operação de redes de telecomunicações, teleprocessamento e automação, com ênfase em projetos de infraestrutura.
Sólidos conhecimentos em gestão tecnológica, com cursos de especialização em sistemas de telecomunicações, teleprocessamento, automação industrial e redes de computadores. Desenvolvimento e aplicação de treinamentos técnicos em empresas no segmento de telecomunicações.
Autoria de diversos livros e artigos técnicos e científicos, publicações, organização de Congressos e participação como palestrante e convidado.

Produtos relacionados

Comentários