Enviado em 16.09.2016

PON – Conheça como é estrutura dessa rede

Conheça mais sobre as Redes Ópticas Passivas, também conhecidas como Redes PON (Passive Optical Network). Confira:

As Redes Ópticas Passivas (Passive Optical Network – PON) são uma solução de acesso à última milha (last mile), podendo se apresentar em três modelos de arquitetura: centralizado, convergência local e splitters distribuídos. A arquitetura centralizada possui uma fibra dedicada para cada assinante a partir da central. A convergência local possui uma fibra dedicada a partir de um ponto de convergência. No modelo de splitters distribuídos é usada uma arquitetura que apresenta diferentes pontos de convergência para realizar a distribuição (Fig. 1).

Figura 1 - Exemplos das arquiteturas PON

Figura 1 – Exemplos das arquiteturas PON

 

Redes PON

As redes PON são constituídas por componentes ópticos passivos entre o Terminal de Linha Óptica (Optical Line Termination – OLT) e a Unidade de Terminação Óptica (Optical Network Termination – ONT), alojada nas dependências do usuário, ou pela Unidade de Rede Óptica (Optical Network Unit – ONU), quando alojada em postes ou armários externos (Fig. 2).

Figura 2 - Rede óptica passiva básica

Figura 2 – Rede óptica passiva básica

 

Na conexão ponto-multiponto os terminais ópticos devem executar funções específicas como filtrar a informação destinada a cada usuário e também coordenar para que, através da multiplexação dos sinais, as informações (dados, voz etc.) que saem do usuário não colidam com as informações dos outros usuários da rede, tudo em banda larga.

Os elementos passivos ficam localizados na rede externa, onde ocorre a distribuição do sinal óptico. Estes elementos são os cabos ópticos, os divisores passivos (splitters), as caixas de emenda, os conectores e acopladores ópticos. A arquitetura requer equipamentos ativos somente nas terminações de rede (OLT/ONT/ONU), para realizar a conversão óptico/elétrico/óptico dos sinais em diferentes formatos de transmissão. O sinal óptico na rede PON é transmitido para todos os usuários, saindo do OLT através de uma fibra óptica, em transmissão bidirecional, chega ao divisor óptico passivo (splitter), que tem a função da divisão do sinal óptico e fracionamento da taxa de transmissão, distribuindo os sinais resultantes para ONU’s e ONT’s.

A arquitetura PON compartilha os equipamentos de rede com um dado número de usuários, possibilitando ao provedor de serviços dividir os custos de instalação e de operação. Como não há elemento ativo localizado na rede externa, a manutenção em campo é simplificada representando um custo operacional menor quando comparado com redes que utilizam equipamentos ativos.

Compre equipamentos para sua rede na ISP Shop

Gerente de Engenharia e Operações na BRIP Multimídia. Profissional com mais de 20 anos de carreira desenvolvida nas áreas de gestão e operação de redes de telecomunicações, teleprocessamento e automação, com ênfase em projetos de infraestrutura. Sólidos conhecimentos em gestão tecnológica, com cursos de especialização em sistemas de telecomunicações, teleprocessamento, automação industrial e redes de computadores. Desenvolvimento e aplicação de treinamentos técnicos em empresas no segmento de telecomunicações. Autoria de diversos livros e artigos técnicos e científicos, publicações, organização de Congressos e participação como palestrante e convidado.

Comentários